quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

LAMMAS OU Lughnasadh





LAMMAS

Hemisfério Norte: 1o de Agosto
Hemisfério Sul: 2 de Fevereiro

Conhecido como Lughnasadh, Véspera de Agosto e Primeiro Festival da Colheita, o Sabbat Lammas é o Festival da Colheita. Nesse Sabbat (que marca o início da estação da colheita e é dedicado ao pão), os Bruxos agradecem aos deuses pela colheita com várias oferendas às deidades para assegurar a continuação da fertilidade da terra, e honram o aspecto da fertilidade da união sagrada da Deusa e do Deus.

Lammas era originalmente celebrado pelos antigos sacerdotes druidas como o festival de Lughnasadh. Nesse dia sagrado, eles realizavam rituais de proteção e homenageavam Lugh, o deus celta do sol. Em outras culturas pré-cristãs, Lammas era celebrado como o festival dos grãos e o dia para cultuar a morte do Rei Sagrado.

A confecção de bonecas de milho (pequenas figuras feitas com palha trançada) é um antigo costume pagão realizado por muitos Bruxos modernos como parte do rito do Sabbat Lammas. As bonecas (ou bebês da colheita, como são chamadas algumas vezes) são colocadas no altar do Sabbat para simbolizar a Deusa Mãe da colheita. é costume, em cada Lammas, fazer (ou comprar) uma nova boneca de milho e queimar a anterior (do ano passado) para dar boa sorte.
NOME:
Lughnasadh é também conhecido como Lammas (Lê-se "lamas") ou Festival da Primeira Colheita. Dia sagrado no paganismo, em especial na religião Wicca. Celebrado no dia 2 de Fevereiro no hemisfério Sul e no dia 1º de Agosto no hemisfério Norte.
• Lughnasad= pronuncia-se Lunasá.
• Lammas= pronuncia-se Lamas.

SIMBOLISMO:
• Esse sabá, que ocorre entre o Solstício de Verão (Litha) e o Equinócio de Outono (Mabon), marca o fim do Verão e o início da época da colheita, uma época de agradecimento aos Deuses por tudo o que colhemos. Agradece-se ao que foi bom e também ao que pareceu ruim, pois na religião Wicca crê-se que tudo o que acontece na vida faz parte no caminho evolutivo de cada um.
• O nome Lughnasadh veio duma festa agrícola típica dos Céltico. Uma festa da colheita em honra ao deus céltico do Sol: Lugh (o maior guerreiro dentre os celtas, pois derrotou os gigantes que exigiam sacrifícios humanos).
• Já o nome Lammas significa "A Massa de Lugh", que representa o alimento (geralmente pão ou bolo ou qualquer outra massa) feito com os grãos, que representam a colheita, e repartido (como alimento sagrado) entre os membros do coven ou da família ou mesmo entre amigos.


COSTUMES E TRADIÇÕES

Além da tradicional "Massa de Lugh", segundo a tradição da religião Wicca, nessa época são feitos bonecos de palha (de milho ou trigo) representando os Deuses, chamados de Senhor e Senhora do Milho. Esses bonecos são tidos como amuletos de proteção durante todo o ano, até o próximo Lammas, onde são queimadas na fogueira ou no caldeirão.
Na fogueira, os bonecos de milho do ano passado, juntamente com papéis contendo agradecimentos aos Deuses, são queimados; isso ocorre como uma maneira de lembrar aos wiccanos de que devemos queimar o passado e utilizá-lo como combustível para o nosso futuro.
As noites já começaram a ficar mais longas, desde o Solstício de Verão; aproximando-se a época da partida do Deus para a Terra do Verão, deixando a sua própria semente no ventre da Deusa, de onde renascerá (mantendo o eterno ciclo do nascer-morrer-renascer).
CORRESOONDÊNCIAS

Em cada um dos 8 sabás da Roda do Ano na religião Wicca existem correspondências específicas para a composição dos rituais baseadas nos simbolismos de cada época.
Nomes Alternativos: Lughnashad, Elembrios, Harvest Tide, Teltain, Lughnasa, Lunasa ou Laa Luanys

Ervas ritualísticas tradicionais: flores da acácia, aloé, talo de milho, ciclame, feno grego, olíbano, urze, malva-rosa, murta, folhas do carvalho, girassol e trigo, peônia, flor de trevo, heliotrópio, verbena, murta, rosa, girassol, musgo irlandês, trigo, salga, centeio, aveia, cevada, arroz, alho, cebola, manjericão, menta, babosa, acácia, folha de maçã, folha de framboesa, folha de morango, folha de uva, azevinho, confrei, calêndula, vinheiro, hera, avelã, espinheiro-preto, sabugueiro.

Plantas e frutos: Flores da acácia, aloés, olíbano, nozes, cerejas, arroz, cevada, urze, murta, girassol, milho, aveia, trigo, amoras, maçãs, além de todos os grãos e frutos maduros da estação.
Brasil:
Frutas do verão:Abacaxi, Banana-prata, Coco verde, Figo, Jabuticaba, Jaca, Kiwi, Laranja pêra, Laranja seleta, Mamão Havaí, Manga, Melancia, Melão, Nectarina, Pêssego, Romã, Uva Itália
Verduras e legumes da época:Alho, Batata, Catalonia, Milho verde, Salsão, Vagem.http://ronaldorossi.com.br/blog/?p=4232&cpage=1#comment-1009

Comidas típicas: Pães caseiros, bolos de cevada, cordeiro assado, além de tortas e outros pratos feitos a partir dos frutos da estação. Os alimentos pagãos tradicionais do Sabbat Lammas são pães caseiros (trigo, aveia e, especialmente, milho), nozes, cerejas silvestres, maçãs, arroz, tortas de cereja, vinho de sabugueiro, cerveja e chá de olmo.


Bebidas típicas: Vinhos, cervejas, chás e sidras, além de sucos e outras bebidas preparadas a partir dos frutos da estação.
Incensos: acácia, aloé, olíbano, rosa e sândalo.
Cores: laranja e amarela. marrom, laranja, vermelho, amarelo.
Pedras: aventurina, citrino, peridoto e sardônia., olho-de-gato, topázio dourado, obsidiana, á gata, musgosa, rodocrosita, quartzo claro, mármore, ardósia, granito, seixos de rio.
Deuses geralmente representados: Lugh, Baco, Apolo, Rá, Ceres, Deméter, Mani, Urihi, Kupeirup, Iaçá, Danu, Gaia, Pele, Brigid, Uzume, e os demais deuses e deusas da colheita, fartura e proteção.

TOQUE BRASILEIRO

Grande parte dos wiccanos brasileiros prefere utilizar simbolismos mais próximos à cultura do Brasil, principalmente os simbolismos da cultura indígena (que são considerados os mais ‘originais’ dos brasileiros).
Nesse sabá, podemos citar a Deusa indígena Mani. Segundo a lenda, a filha do chefe de uma tribo apareceu grávida, porém ela jurava não ter se deitado com homem algum. O pai, seguindo a tradição, mata-la-ia; entretanto, na noite anterior ao ato, um espírito dos Antigos Anciãos da sua tribo veio-lhe em sonho e disse-lhe que a criança possuiria uma grande magia e que não deveria ser morta.
Quando a criança nasceu, sua pele era tão branca que mais parecia a própria lua a brilhar. Já nasceu sabendo falar, no segundo dia de vida, aprendeu a andar. Após um ano, aconselhando a tribo com as sábias palavras de uma Deusa, Mani morreu. Segundo a tradição, foi enterrada na oca de sua mãe, que a regava todos os dias.
Dentro de algum tempo, uma planta nasceu naquele lugar, uma planta cujas raízes escuras eram tão grandes que chegaram a sair do chão. Entretanto, o interior da raiz era tão branco quanto a alva pele de Mani; assim a planta ficou conhecida como Mandioca, que quer dizer, a Oca (casa) de Mani.
Por isso, em honra a Deusa Mani, também é muito comum no Brasil a valorização da mandioca e de outras plantas típicas no ritual de Lughnasad: a Festa da ColheitA
http://pt.wikipedia.org/wiki/Lughnasadh

RITUAL:1
Ritual do Sabbat Lammas

Comece marcando um círculo com cerca de 3m de diâmetro. Erga um altar no centro do círculo, voltado para o norte. Sobre ele, coloque uma vela da cor apropriada do Sabbat. à esquerda (oeste) da vela, coloque um cálice com água (preferivelmente água fresca de chuva ou água de uma fonte de montanha) e uma bandeja ou prato à prova de fogo, contendo uma boneca nova de milho e uma do Sabbat Lammas do ano anterior. à direita (leste da vela), coloque um incensório com incenso de sândalo ou de rosa, e um prato com sal, pó ou areia para representar o elemento Terra. Diante da vela (sul) coloque um punhal consagrado e uma espada cerimonial consagrada.

Salpique um pouco de sal para consagrar o círculo e, então, começando pelo leste, trace o círculo com a ponta da espada cerimonial, movendo-a de modo destrógiro, enquanto diz: COM O SAL E A ESPADA SAGRADA EU CONSAGRO E TE INVOCO, OH CíRCULO DE MAGIA E LUZ DO SABBAT. SOB O NOME SAGRADO DA DEUSA E SOB A SUA PROTEçãO INICIA-SE AGORA ESTE RITUAL DO SABBAT.

Coloque de volta no altar a espada cerimonial. Acenda a vela e diga: NESTE CíRCULO CONSAGRADO DO SABBAT EU VOS CONJURO, AGORA, OH ESPíRITOS SAGRADOS DO ANTIGO E MíSTICO ELEMENTO FOGO.

Acenda o incenso e diga: NESTE CíRCULO CONSAGRADO DO SABBAT EU VOS CONJURO, AGORA, OH ESPíRITOS SAGRADOS DO ANTIGO E MíSTICO ELEMENTO AR.

Segure o punhal na mão direita e, com a ponta da lâmina, trace um pentáculo (estrela de cinco pontas) no sal, pó ou areia e diga: NESTE CíRCULO CONSAGRADO DO SABBAT EU VOS CONJURO, AGORA, OH ESPíRITOS SAGRADOS DO ANTIGO E MíSTICO ELEMENTO TERRA.

Mergulhe a lâmina do punhal no cálice com água e diga: NESTE CíRCULO CONSAGRADO DO SABBAT EU VOS CONJURO, AGORA, OH ESPíRITOS SAGRADOS DO ANTIGO E MíSTICO ELEMENTO áGUA.

Coloque o punhal de volta no altar. Pegue a boneca nova de milho e coloque-a à direita da vela, e diga: OH SENHORA DA COLHEITA, EU TE AGRADEçO POR NOS SUSTENTAR NAS PRóXIMAS ESTAçõES E PELA GENEROSIDADE DESTA COLHEITA. ASSIM SEJA.

Pegue a antiga boneca de milho e queime-a na chama da vela. Coloque-a na bandeja ou prato à prova de fogo. Enquanto ela queima, recite o seguinte verso mágico do Sabbat: SENHORA DA COLHEITA DO PASSADO, QUEIME AGORA. à DEUSA VóS DEVEIS VOLTAR. ABENçOAI-ME COM A SORTE E O AMOR DO DEUS E DA DEUSA ACIMA. ASSIM SEJA!

Encerre o ritual afastando os espíritos elementais, apagando a vela e desfazendo o círculo em movimento levógiro com a espada cerimonial. Enterre as cinzas da antiga boneca de milho, como oferenda à Mãe Terra, e guarde a boneca nova para o próximo Sabbat Lammas.

Fonte: 'Wicca - A Feitiçaria Moderna', de Gerina Dunwich

RITUAL 2
Ritual de Lammas
Material necessário:
*Um pão;
*Cálice com vinho;
*Uma boneca de pano recheada de grãos;
*Ramos de trigo;
*Quatro velas marrons;
*Quatro velas laranjas;
*Caldeirão;
*Álcool de cereais;
*Açafrão.
Procedimento: Rodeie o seu Caldeirão com as quatro velas marrons,
intercalando-as com as quatro velas laranja.
Enfeite o seu Altar com os ramos de trigo e coloque o Pão sobre ele.
Trace o Círculo Mágico e diga:
´´Hoje é o momento de festejarmos a primeira colheita.
O Deus Sol nos trouxe a abundância,
A Deusa Mãe nos presenteou com as sementes.
Comemoro o Pão da vida que sustenta a todos.
Abençoada seja a fartura da Terra.´´
Acenda as velas, agradecendo aos Deuses por todas as dádivas
proporcionadas até o momento.
Pegue a boneca e com ela em suas mãos faça os seus pedidos.
Dê três voltas ao redor do Círculo e ao final da terceira volta coloque-a em seu Caldeirão.
Salpique um pouco de açafrão sobre ela e derrame um pouco de álcool.
Ponha Fogo no Caldeirão, enquanto diz:
´´O Deus dos grãos se sacrifica para nos alimentar e trazer vida ao seu povo.
Mas em cada semente há a promessa do renascimento.
Abençoado seja o mistério da vida presente em cada semente.´´
Eleve o Cálice e diga:
"Tomo este vinho em honra do Deus da fartura e abundância, o grão renascido,
e da Deusa da colheita, a mantenedora da vida."
Faça uma libação e coma um pedaço de pão, agradecendo por todos os benefícios alcançados.
Dance e cante em homenagem aos Deuses.
Destrace o Círculo

RECEITAS PARA LAMMAS

Receitas para Lammas


Pão de fubá com grãos de milhos dourados
( para sabat de Lammas )

400 gr de grãos de milho em lata ou de espiga debulhados
1 ½ xícara de fubá ( 240 g )
1 1/3 de farinha de trigo ( 160 g )
1 colher de chá de sal
3 colheres de sopa de açúcar
7 colheres de óleo
2 ovos
2 xícaras de leite ( 480 ml )
3 colheres de fermento em pó
6 colheres de manteiga
½ cebola ralada

Refogue os grãos de milho em 3 colheres de manteiga com a cebola até dourar. Deixe escorrer sobre uma peneira e reserve.
Misture o fubá, a farinha, o sal, o açúcar e o óleo. Junte os ovos com o leite, mexa e adicione a mistura anterior, mexendo sempre. A massa ficará quase líquida. Unte uma assadeira com manteiga e povilhe fubá. Acrescente o fermento e os grãos de milho a massa. Coloque a massa na forma e asse em forno quente preaquecido, por 35 minutos ou até que enfiando um palito saia limpo. Retire o pão do forno pincele com manteiga e deixe esfriar na forma.






Bolo de maçã com calda de vinho para lammas

180 g de manteiga
¼ de xícara de leite
1 xícara de açúcar
3 ovos
2 xícaras de farinha de trigo
½ xícara de maizena
6 colheres de sopa de sementes de papoula
1 xícara de suco de maçã
1 colher de sopa de fermento em pó
1 xícara de maçãs picada em cubinhos regadas com suco de limão.

Misture as sementes de papoula com o leite e deixe descançar 20 minutos. Bata a manteiga com o açúcar até obter uma mistura fofa. Adicione os ovos um a um até obter um creme homogêneo. Junte a farinha, a maisena, o suco de maçã e a mistura de leite com papoula. Acrescente por último o fermento. Unte uma forma com manteiga e farinha. Asse o bolo em forno médio alto preaquecido por aproximadamente 35 minutos. Desenforme e banhe com a calda de maçã e vinho.

Para a calda

2 maçãs raladas no ralo grosso
½ xícara de vinho tinto seco
3 colheres de sopa de água
½ xícara de açúcar cristal

Misture o vinho e a água
Coloque na panela as maçãs raladas com ½ xícara do açúcar cristal. Deixe cozinhar até começar a dourar, cuidado para não queimar o açúcar. Acrescente o vinho com água e deixe reduzir até a calda engrossar um pouquinho. Despeje em cima do bolo quente.

BOLO DE LAMMAS

Bem, a base deste bolo é o bolo de iogurte (2 copos de iogurte, 3 de farinha, 3 de açucar, 1 de margarina e 4 ovos). A partir da base o objectivo é juntar todos os ingredientes que existam no frigorifico e dispensa (que sirvam num bolo doce). Os nossos extras foram doce de morango inglês e nozes. Hum....ficou...muito bom e com uma textura quase de tarte. Agora, ao longo da confecção, é preciso acordar o espirito do Lammas: a colheita dos cereais que amadureceram ao longo do verão, a prosperidade da terra que nós colhemos com alegria e respeito.
Quatro Bruxas numa cozinha, oito mãos que mexeram a massa, quatro cargas de energia e luz, memórias de sol e sabor, tudo misturado e selado com um feitiço de união:
"Este é o nosso esforço e trabalho,
Este é o nosso amor fermentado,
Este é o nosso desejo de prosperidade e fartura neste
Lammas que acolhemos com alegria.
Esta massa somos nós.
Que a energia que fluiu dos nossos corações seja saboreada com alegria a cada dentada.
Que assim Seja!"

Agora, saboreiem e distribuam o bolo por quem amam e cuidam e abençoem o próximo ano com prosperidade, alegria e magia.

Desejamos a todos uma colheita de amor e esperança neste Lammas!http://wiccatts.blogspot.com/2009_08_01_archive.html


Cuca doce para Lammas

125 g de açúcar
3 tabletes de fermento biológico (45 g)
100 g de manteiga sem sal
½ xícara de leite morno
2 ovos
fubá o quanto baste
farinha de trigo o quanto baste
suco de 1 limão
raspas de 2 limões

Bater todos os ingredientes no liquidificador (menos o fubá e a farinha de trigo divididas aproximadamente 50% cada uma). Colocar numa vasilha grande e acrescentar a farinha de trigo até dar o ponto de massa que não grude na mão. Em seguida, juntar as raspas do limão, dividir a massa em duas partes e coloca-las em duas formas untadas. Colocar a cobertura sobre as massas e deixa-las crescer até dobrar de volume.

Cobertura:
2 colheres de sopa de farinha de trigo
2 colheres de sopa de açúcar
2 colheres de sopa de manteiga gelada
Canela a gosto
Misturar fazendo uma farofa e cobrir os pães. Deixar crescer até dobrar de volume. Levar ao forno médio (180° de temperatura) para assar até que solte dos lados da fôrma.

Sopa creme de milho verde

2 latas de milho
2 colheres de cebola ralada
1 colher de margarina
1 litro de caldo de legumes ( pode ser comprado pronto e diluído - opcional )
1 xícara de leite
½ xícara de catupiry ou requeijão
1 colher de sopa de farinha de trigo
sal à gosto

Bata no liquidificador o milho sem a água, o leite, 1 copo de caldo de legumes e a farinha. Passe a mistura por uma peneira e reserve.
Numa panela refogue a cebola com a margarina. Acrescente o restante do caldo e deixe ferver. Junte a mistura peneirada e o catupiry ao caldo fervente. Mexa até engrossar. Sirva salpicado com cubinhos de pão de milho tostados e queijo ralado.


Tortinhas de milho com azeitonas para Lammas

6 ovos
2 ¼ de xícaras de leite misturada com 2 colheres de sopa de suco de limão
¾ de xícara de manteiga derretida ( 150 g )
2 colheres de chá de sal
3 xícaras de de fubá ( 480 g )
1 ½ de farinha de trigo ( 180 g )
2 colheres de chá de fermento em pó
½ xícara de azeitonas pretas bem picadas

Misture os ovos com o leite. Acrescente o fermento e o sal. Junte o fubá e a farinha e as azeitonas. Misture tudo muito bem. Unte formas de empada com manteiga e coloque a massa até a metade das formas. Leve para assar em forno moderado, preaquecido, até dourar. Tire do forno pincele manteiga e deixe esfriar.

Fazendo o Pão de Lammas
O preparo desse Pão começa quatro dias antes da cerimônia.
Ponha dentro do seu Cálice grãos de cevada (representando a cor branca),
trigo (representando a cor vermelha) e centeio (representando a cor negra)
em tigelas pequenas sobre o Altar junto com o seu Cálice.
Faça uma lista de boas coisas que você recebeu no ano que passou
e agradeça pedindo pela multiplicação no próximo ano.
Pegue uma pitada de cada um dos três grãos e ofereça à Virgem,
à Mãe a à Anciã, agradecendo-lhes e declare sua vontade de ver
as bênçãos multiplicadas no próximo ano.
Durante três dias, verta água sobre as sementes, escoando dia e noite e
esperá-las brotar.
Um dia antes de Lammas, coloque seu Cálice ao Sol, assim os brotos começarão a germinar.
Eles serão utilizados na preparação do pão de Lammas.
Então comece a fazer o pão no dia da celebração de Lammas.
Numa tigela coloque:
*Meia xícara de chá de aveia;
*Meia xícara de chá de milho cozido;
*Duas xícaras de chá de água fria;
*Uma colher de sopa de sal.
Cozinhe por cinco minutos até formar um mingau.
Adicione duas colheres de sopa de manteiga e mei xícara de chá de melado
(para afazer um pão escuro) ou mel (para fazer um pão claro).
Deixe esfriar à parte.
Dissolva uma colher de sopa de açúcar em mei xícara de chá de água.
Borrife uma colher de levedura seca na água. Deixe descansar por 10 minutos.
Quando a levedura estiver como uma cobertura fofa sobre a água,
mexa rapidamente com um garfo para misturar.
Adicione o mingua e mexa em duas xícaras e mei de chá de farinha de trigo.
Bata vigorosamente durante cinco minutos.
Misturando dessa forma, você irá formar o glúten que dá ao pão um textura elástica.
Adicione os brotos.
Adicione mais duas xícaras e meia de chá de farinha de trigo.
Vire a massa sobre uma superfície polvilhada com farinha.
Adicione outra xícara de chá de farinha se a massa estiver pegajosa.
Cante cânticos apropriados ou algo alegre, enquanto vai amassando e
medite agradecendo pela colheita do ano.
Amolde a massa formando uma bola lisa e coloque em uma tigela untada com manteiga.
Cubra a tigela com uma toalha úmida. Deixe a massa subir e dobrar de volume;
isso leva de uma hora e meia a duas horas.
Divida a massa em cinco partes iguais.
Transforme cada parte em um redondo pão plano e pincele com manteiga derretida.
Se desejar, você pode traçar símbolos mágicos na massa dos pães com uma faca afiada.
Deixe-os crescer debaixo da toalha úmida durante mais 45 minutos.
Asse a 350 graus durante 25 a 30 minutos.
Enquanto você come o pão no seu ritual, medite nos presentes que você recebeu.



Lammas
O Deus Sol agora se transforma no Deus das Sombras, doando sua energia
à s sementes para que a vida seja sustentada, enquanto a Mãe se prepara
para assumir seu aspecto de Anciã.
Agora é o tempo de ensinar o que você aprendeu, com os frutos colhidos.
Ramos de trigo assim como bonecas de milhos são símbolos tradicionais desse Sabbat.
O pão é colocado sobre o Altar de decorado com frutas e vegetais da colheita.
Isso representa o início do ciclo da colheita. No Paganismo Ocidental,
esse é um festival dos grãos e por isso é chamados muitas vezes de
“ o Sabbat das primeiras frutas”.

Lammas honra o Deus céltico Lugh, Lugh é o Deus das colheitas, do Fogo,
da luz e do Sol. Ele foi o Rei dos Tuatha de Danan e consorte de Dana,
a primeira Grande Mãe da Irlanda. Dana, como a rainha de Lugh e a Deusa Mãe,
é também honrada nesse Sabbat.
A Morte sacrificial e o renascimento de Lugh, assim como a colheita dos grãos,
estão sempre conectados a Lammas, simbolizando que sempre o Deus morrerá para
renascer novamente através da benevolência da Deusa.
Outros aspectos desse Sabbat contêm a representação do crescimento do nascimento,
da honra e do agradecimento à Deusa, pelo seu ventre que cultivou as sementes,
e a Lugh, em seu aspecto de Deus Sol, pelas bênçãos e fertilização
do ventre da Deusa com seu calor e luz.
Lammas, que significa “massa”, é um nome mais recente para se referir a
Lughnashad e começou a ser utilizado na Idade Média. E
sse é o dia em que os pães, feitos dos primeiros grãos das colheitas,
são servidos e oferecidos aos Deuses antigos. Lammas é o tempo de honrar
os aspectos de fertilidade e união da Deusa com o Deus, para gerar a fertilidade.
Lammas é o tempo de dar gratidão pelo que você começou a receber e sacrificar
o que você puder para receber mais.


Atividades
*Fazer o Pão de Lammas.
*Fazer velas para honrar a Deusa e o Deus.
* Coletar água da chuva e água de tempestade para uso em feitiços e potencializar objetos mágicos.
*Criar e enterrar uma Garrafa de Bruxa.
*Fazer uma Boneca de milho e guardar para o próximo Imbolc.
*Fazer uma Roda de milho.
*Fazer um piquenique mágico com libações para a terra, de pão e vinho.
*Melhor momento para lançar feitiços que visem obter sucesso na carreira, saúde e lucro financeiro. Feitiços para abundância são muito propícios nesse Sabbat. Como o Sol está crescendo mais fracamente, é um bom tempo para fazer meditações ao crepúsculo.
*Lembre-se: a Boneca de milho que você fará agora será vestida e colocada na cama da noiva em Imbolc.
*Comidas e Bebidas Sagradas: ervas frescas, frutas e vegetais, pão de milho, amoras pretas, tortas, sidra, vinho de pétalas de rosas.

Fazendo uma Garrafa de Bruxa
As garrafas de feitiço, também conhecidas como Garrafas de Bruxa,
estiveram em uso na Inglaterra e nos Estados Unidos pelo menos desde 1600.
elas foram criadas originalmente para destruir o poder mágico negativo ou
para lançar um contra-feitiço ao criador de uma garrafa. Eram freqüentemente
vasilhas de cerâmicas, cheias de cabelos, unhas, e até mesmo a urina da vítima.
Também eram colocadas dentro de novas casas como Guardiães Mágicos.
Garrafas de feitiço desse tipo ainda continuam sendo usadas.
Garrafas de feitiço são aparentemente de origem inglesa.
Assim, esses dispositivos protetores certamente imigraram da Inglaterra
para os Estados Unidos com os colonos.
São feitas garrafas de feitiço para uma variedade de propósitos e
podem ser usadas em numerosos casos. Algumas são enterradas ou escondidas,
enquanto outras são colocadas nas janelas da casa ou em outros lugares proeminentes.
Tudo isso simboliza a concentração de energia criada e potencializada para
propósitos mágicos específicos.
A garrafa de bruxa é um dos meios mais poderosos de proteger seu espaço.
É enterrada em sua propriedade (se você é um morado de apartamentos,
poderá tentar enterra-la em um vaso com plantas na sua porta de entrada)
para atrair todas as coisas negativas para dentro da garrafa.
Se você se mudar, desenterre-a e a destrua ou traga para sua casa nova.
O período ideal para fazer as Garrafas de Bruxa é durante o Sabbat Lammas.
A seguir algumas receitas e idéias para você criar a sua própria garrafa.

Garrafa de Bruxa para Proteção
Junte alecrim, agulhas, alfinetes e vinho tinto.
Encha uma garrafa pequena com os três primeiros itens, dizendo enquanto você faz isso:
´´Alfinetes, agulhas, alecrim, vinho;
Guarde contra dano e inimizade;
Que assim seja por toda eternidade!´´
Quando a garrafa estiver cheia, coloque o vinho.
Então tape ou arrolhe, pingando cera de vela vermelha ou preta até vedar completamente a tampa.
Enterre em algum lugar de sua propriedade ou coloque-a em algum lugar imperceptível.
Trace um Pentagrama evanescente sobre ela. A Garrafa de Bruxa de destrói a negatividade;
os alfinetes e as agulhas afastam o mal, o vinho o submerge e o alecrim envia a
s energias negativas para longe de sua propriedade.


http://members.tripod.com/mundo_encantado.br/id9g.htm

Nenhum comentário:

Postar um comentário